domingo, 25 de junho de 2017

Assista filme Medianeras Buenos Aires da Era do Amor Digital 2011 Legendado

Resultado de imagem para filme  Medianeras   Buenos Aires da Era do Amor Digital



Martin (Javier Drolas) está sozinho, passa por um momento de depressão e não se conforma com a maneira com a cidade de Buenos Aires cresceu e foi construída. Web designer, meio neurótico, pouco sai e fica grande parte do tempo no computador. 
Resultado de imagem para filme  Medianeras   Buenos Aires da Era do Amor Digital
É através da internet que conhece Mariana (Pilar López de Ayala), sua vizinha também solitária e desiludida com a vida moderna numa grande cidade.

Eric Clapton ~ "Mas eu prefiro que meu homem me atingisse



"Mas eu prefiro que meu homem me atingisse
Que o siga para pular e me abandonar
Não é negócio de ninguém se eu fizer
Eu juro que não vou ligar para nenhum cobre
Se eu for espancado por minha papá
Não é negócio de ninguém se eu fizer ... "

terça-feira, 13 de junho de 2017

Assista filme completo Um Lugar Para Ser Feliz filme completo

Resultado de imagem para Um Lugar Para Ser Feliz



O filme conta a história de Arthur (Victor Pecoraro), um homem que está acostumado a viver na pequena e acolhedora cidade de Campo Alegre, e deixar seus sonhos de lado para cuidar de sua mãe Alzira alcoólica (Ilze Körting) e seu irmão pequeno Rodrigo (Gustavo Bezerra).
Resultado de imagem para Um Lugar Para Ser Feliz
 Arthur vê sua vida mudou quando seu amor de infância Marcela (Franciely Comunello) de volta para Campo Alegre de vender a casa de seus pais e trabalhando como dentista no lugar de sua amiga.
Resultado de imagem para Um Lugar Para Ser Feliz
 Eles se encontram novamente e juntos vamos viver mais do que um amor, vai ajudar a reconstruir um sonho antigo tio Peter (Carlinhos Félix), um grande homem que criou Artur quase como um filho. Este filme irá mostrar que por trás de cada sorriso há a dor de uma vida que pode ser reconstruído.

Ouça aqui o poema ‘Tu risa’ (Pablo Neruda), recitado por Esteban Ferrandez

domingo, 11 de junho de 2017

Vamos ouvir TREM BALA- Ana Vilela

E um poema que é mesmo de amor de Alexandre O'Neill

Art history meets contemporary life with the work of artist Alexey Kandakov. The figures of museums suddenly feel real in modern day settings.:

Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.
by Ron Hicks:
Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto,
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.
REGRAM @art_muse Ron Hicks - А Stolen Kiss #memories:
De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor.
Photograph Untitled by Tatiana Quetzal on 500px:
(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído,
No papel abandonado)
Tom Lovell. Back comes the bride, 1944:
Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.

imagens retirada Pinterest

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Diálogos de Antonio Candido com o jornalismo cultural contemporâneo VIA observatório impresa


O professor e sociólogo Antonio Candido morreu, dia 12 de maio, aos 98 anos, deixando uma contribuição fundamental para o jornalismo cultural, não só como crítico literário, mas também pelo seu pensamento reflexivo sobre o ato em si da crítica de arte. Sua lucidez sobre o ofício da crítica era claríssimo já muito jovem.

Por essa razão, a coluna deste mês se debruça sobre as reflexões que ele fez em seu primeiro texto publicado na Folha de S.Paulo, quando tinha apenas 24 anos, em 7 de janeiro de 1943, intitulado Ouverture. São 74 anos que separam nossa atual crítica cultural do pensamento publicado por ele, mas suas palavras continuam pulsando como fundamentais para esta especialização do jornalismo.

Candido começa dizendo que se espera muito do crítico, mas, principalmente, que ele defina o que é a crítica para ele. Nada mais certeiro. Não se pode entrar no ofício da crítica sem ter consciência de suas responsabilidades e riscos. Responsabilidade de emitir uma opinião justificada, bem argumentada, que não soe um achismo superficial. Risco de ser encarado, pelo artista, como uma agressão ao seu trabalho, e não a construção de um saber reflexivo, uma das grandes contribuições da crítica de arte.

“Não basta que o leitor se sinta diante de um homem de boa compreensão, é preciso que ele sinta o homem de boa-fé”, diz ele no texto, em palavras que nunca foram tão atuais, quando vemos críticas, hoje, tão contaminadas por “pré-conceitos” (divido propositadamente a palavra, para deixar seu significado claro) e de má-fé. Um exemplo entre muitos: o crítico de cinema que detona o novo filme de um diretor apenas por ele ser notoriamente de uma posição política contrária a dele ou do veículo. Ou seja, não é a obra que está sendo trabalhada, são as crenças pessoais do veículo ou do crítico, absolutamente irrelevantes no texto crítico.

Isso não quer dizer negar um viés pessoal, algo que Antonio Candido considera inevitável, já que “a crítica parte e se alimenta de condições personalíssimas, às quais será escusado querer fugir”. Não existe, para ele, “crítica científica”. A crítica teatral Bárbara Heliodora, por exemplo, costumava, em alguns de seus textos, analisar e refletir sobre cada área que compõe a peça analisada. Falava do texto, atuação do elenco, iluminação, direção, encenação, cenário, figurino, desenho de som etc.

Mas mesmo este método de Bárbara, ainda que formal, classificativo e organizado, não é considerado um método científico. A ciência dura passa longe da crítica. Leitor e crítico precisam estar cientes disso. “Querer, portanto, descobrir fórmulas aplicáveis ‘objetivamente’ que dispensem os fatores estritamente individuais da personalidade do crítico – querer criar uma técnica de crítica – é uma monstruosidade que só não é perigosa porque não é possível”, diz Candido.

Há um ponto em seu texto, porém, que me parece mais útil aos dias de hoje do que quando ele escreveu, soando quase como premonitório. Candido diz que o crítico, embora não possa negar o caráter individualista de seu texto, tampouco pode colocar-se como a “razão de ser”, o aspecto central do texto crítico. Nada mais atual. Jornais e revistas são inundados de críticos autocentrados, cujos egos são inflados por likes e seguidores de redes sociais, que deixam quase sempre a obra em segundo plano em seu texto. O maior sintoma disso é o uso da primeira pessoa, uma muleta quase sempre desnecessária e inoportuna. Isso é “escamotear a obra e exibir em seu lugar a personalidade do crítico”, nas palavras do sociólogo.

Antonio Candido deixa claro que toda obra está ligada ao seu tempo, dialogando assim, com colegas de peso (e amigos pessoais) como Paulo Emílio Sales Gomes. Assim, tirar o produto de arte ou entretenimento alvo da crítica e a crítica em si de seu contexto é um grave erro, tanto do leitor quanto de acadêmicos ou jornalistas.

Por isso – e aqui vem algo que Candido nunca disse, por ser de um tempo em que o jornalismo ainda era uma profissão com delineações pouco claras – a crítica deve estar dentro do escopo do jornalismo cultural, pois ela se debruça sobre o produto de seu mesmo contexto. Assim como o jornalismo escreve a história do hoje, a crítica de arte escreve a história da arte contemporânea.

Isso pode se ver numa interpretação livre do que Candido afirma em seguida, ao dizer que é muito mais fácil encontrar as relações culturais com o seu momento atual ao analisar obras do passado, “em virtude do panorama mais ou menos amplo que a distância no tempo permite descortinar”. Neste ponto, porém, acho que o século 21 deixou estes limites ainda mais claros: crítica de arte fala do estado da arte contemporânea – grandemente influenciada, no entanto, pela agenda cultural. Todo o resto é história da arte.

Ainda que escreva de modo analítico, intelectual e reflexivo, o crítico não pode, nas palavras de Antonio Candido, perder a “disponibilidade emocional”, pois tem como missão revelar as essências da obra analisada, assim como o artista que a fez, mostrando as angústias, fraquezas, ciências e crises humanas nela contida. A crítica das artes tem valor fundamental para ele, pois “é nelas que se aninham as vagas possibilidades do futuro e que são julgadas as tentativas do passado. Tácita ou explícita, consciente ou inconscientemente, nelas se encontram as mais variadas manifestações da inteligência e do coração dos homens”.

Com seu humor sofisticado e discreto, Antonio Candido diz que o crítico não tem nenhuma “faculdade extraordinária”, não sabendo “levantar as tampas dos crânios”, sendo dono apenas de cinco sentidos e um “pobre cérebro”. Relativiza, portanto, o senso de vitalidade do crítico no mundo, um lembrete, hoje, tão importante para críticos que se esquecem da pequeneza de seu fazer diário. “O crítico é, por excelência, o escritor que passa, o que mais rapidamente envelhece; e a sua missão estará cumprida se puder ter contribuído para orientar os contemporâneos”, diz.

Ele encerra seu texto citando o crítico musical francês Vuillermoz, que afirmava não querer conhecer os artistas cujas obras critica, ao que Candido concorda, pois o contato pessoal torna “difícil a isenção de ânimo que deve ser a qualidade básica da nossa ética profissional” para não se “derramar em simpatias pessoais e compadrismos literários”. Diz isso no pé do texto, pois anuncia, ali, tomar a mesma postura de Vuillermoz a partir de então: “se nem sempre é possível dizer tudo que se pensa, é sempre possível dizer apenas aquilo que se pensa. É o que farei.”

E foi o que Antonio Candido fez ao longo de muitos textos, fundamentais até hoje para entender a missão, a ética e todos os desdobramentos da atividade do crítico de arte. Em suas críticas, transparecia um homem com amor pela vida e pela arte. E quem o conheceu pessoalmente pode comprovar isso. Por essa razão, finalizo recomendando o texto Um Professor, escrito pela premiada poetisa Cássia Janeiro, no dia da morte de seu amigo (http://www.ube.org.br/um-professor/). Nele se fecha a conclusão deste texto aqui: um grande crítico é, antes de mais nada, um ser humano apaixonado.
Franthiesco Ballerini é jornalista, autor do livro “Jornalismo Cultural no Século 21”

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Minha imagem do dia

EDITORIALS 3 by Simon Prades

Velhinhas felizes da artista finlandesa Inge Löök

Resultado de imagem para finlandesa Inge Löök
Tudo na vida é uma questão de equilíbrio . É uma grande alegria e felicidade fazermos o que realmente gostamos.” Inge Löök
Resultado de imagem para finlandesa Inge Löök
Inge Löök é uma artista gráfica finlandesa que, desde meados de 1970, intercala seus trabalhos artísticos com a jardinagem.
Resultado de imagem para finlandesa Inge Löök
 No equilíbrio desses afazeres encontrou inspiração para suas doces e hilárias criações.
fonte(josie Conti - 16,sey 2015.
Imagem relacionada

As velhinhas felizes da artista finlandesa Inge Löök:

Resultado de imagem para finlandesa Inge Löök

Resultado de imagem para finlandesa Inge Löök
Resultado de imagem para finlandesa Inge Löök
Resultado de imagem para finlandesa Inge Löök biografia
www.ingelook.com


domingo, 5 de fevereiro de 2017

Sessão domingo assista Ieri, oggi, domani 1963 Film completo

Como esquecer Henfil - Cartas da Mãe (completo).Hoje seria seu aniversário

coisasdeada - Os Gatinhos de Aldemir Martins

Aldemir Martins - Biografia faria hoje 83 anos

Paulo Francis - Polemista Profissional via Barbara Hartz


Resultado de imagem para PAULO FRANCIS
Paulo Francis morreu há 20 anos. Ele denunciou o que hoje todos sabem: havia corrupção na Petrobrás. Em 2010, o jornalista Paulo Eduardo Nogueira lançou um perfil do Francis, "Polemista Profissional", que rapidamente se esgotou. Abaixo, uma das repercussões sobre o livro, na época:
Resultado de imagem para livro Paulo Francis - Polemista Profissional
Veja também o vídeo com o Paulinho resumindo o livro no dia do lançamento:
...Ver mais




Ouse, ouse... ouse tudo!! de Lou Andreas-Salomé


Utilizing pencil the soft characteristic of pencil and smudging method to create a very soft and subtle texture.
Não tenha necessidade de nada!
Não tente adequar sua vida a modelos,
nem queira você mesmo ser um modelo para ninguém.
FEELME: Eu, a escritora!:
Acredite: a vida lhe dará poucos presentes.
Se você quer uma vida, aprenda... a roubá-la!
Sir James Jebusa Shannon, Lady Marjorie Manners at 17, ca. 1900:
Ouse, ouse tudo! Seja na vida o que você é, aconteça o que acontecer.
Não defenda nenhum princípio, mas algo de bem mais maravilhoso:
algo que está em nós e que queima como o fogo da vida!!
Resultado de imagem para lou andreas salomé
fonte febrapsi.org.br/biografias/lou-andreas-salom

Charge do dia

Foto
fonte revista ecológico

Vamos ouvir The Best of James Taylor (2003)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Sebastian Barry recebe pela segunda vez prémio literário Costa



El escritor irlandés Sebastian Barry posa para los fotógrafos en la librería Hatchard en en centro de Londres, Inglaterra. EFE/Archivo
O romancista e dramaturgo Sebastian Barry Irish foi proclamado vencedor do prestigioso prêmio na categoria Costa Livro do Ano com a
Resultado de imagem para escritor Sebastian Barry " (peça "Dias Without End" ( "Dias sem fim")
 peça "Dias Without End" ( "Dias sem fim"), os organizadores do evento nesta terça-feira.
Resultado de imagem para escritor Sebastian Barry " livros
Em sua decisão, o júri considerou "Dias sem fim" Uma novela "impressionante, linda e incrivelmente emocional", que descreveu "A Conquista do Oeste"

SESSÃO DA TARDE O mercador de Veneza - filme completo

Minha imagem do dia

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé

Em seu lugar.....Felipe Fortuna



Девушек образование портит O cão que comeu o livro...: As leitoras de Daniela Zekina e uma citação / Women reading by Daniela Zekina and a quote:
Arrumo livros

como lembro os rostos,
de memória. Limpo livros
a me esgueirar
por estantes e frestas,
esgrima.
REGBIT1: Abaixe as janelas de Walter Macchi -:
 Depois
volto a flagrar as lombadas
queimadas de luz
e de gordura dos dedos
(o corpo continua a penetrar
cada leitura).
Reading in a Tree. Artist, unknown.:
Ali estive, aquele ali fui eu,
aqui me reencontro,
estranho antes e depois.
Sveta Dorosheva:
Ninguém fala o título:
ele mesmo
soletra a sua inclusão
e se perfila, agora convocado.
Friedrich Frotzel  (1898 Wien – 1971 Wien)  Der alte Bücherkasten 1929 Öl auf Leinwand, 79,5 x 58,5 cm:
Daqui observo, perto e de rapina,
o livro que li e volta para a fila:
sonho!:
sua lombada erguida frente
à dúvida, que não termina.
 fonte www.felipefortuna ilustraçao re bittencourt retirada google

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Assista o filme Miss Marple -The Body in the Library LEGENDADO

Resultado de imagem para The Body in the Library
The Body in the Library é um romance policial de Agatha Christie, publicado em 1942. É o terceiro livro e o segundo romance a contar com a participação da detetive amadora Miss Marple

Bonfá - Jacarandá - 1973 (Full Album)


Um dos integrantes do seleto grupo de músicos da bossa nova, o compositor e instrumentista 
Resultado de imagem para Luiz Bonfá
Luiz Floriano Bonfá nasceu no dia 17 de Outubro de 1922 no Rio de Janeiro/ Rio de Janeiro, 12 de janeiro 2001.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Luiz_Bonf

Paulo Autran lê Rubem Braga (Duas Crônicas - Audiobook)

Preste atenção arte urbana Etam Cru

murals-street-art-graffiti-sainer-bezt-etam-cru-2
A dupla de artistas poloneses chamada Etam Cru tem um talento incrível. Em grandes paredes 
murals-street-art-graffiti-sainer-bezt-etam-cru-3
eles conseguem transmitir sensações e sentimentos, além do traço e colorização serem impressionantes.
murals-street-art-graffiti-sainer-bezt-etam-cru-4
Com artes em Portugal, EUA e Europa Oriental, puxados pelo sarcasmo, humor e surrealismo, 
murals-street-art-graffiti-sainer-bezt-etam-cru-4
a dupla Sainer e Bezt capricham bons números de altura acima do chão
murals-street-art-graffiti-sainer-bezt-etam-cru-5

murals-street-art-graffiti-sainer-bezt-etam-cru-8

murals-street-art-graffiti-sainer-bezt-etam-cru-9

murals-street-art-graffiti-sainer-bezt-etam-cru-10
www.etamcru.com/